Últimos Vídeos

Todos os vídeos 28 Vídeos Disponíveis
Publicado em: 12/08/2017

História cantada que trabalha o gestual e o esquema corporal acompanhando uma narrativa. Para adquirir o CD, acesse: https://www.facebook...homusicalprofDebora/ Demais materiais: https://www.cantinho...ca.com.br/loja/index Para receber conteúdos exclusivos e noticias de cursos presenciais e online cadastre-se neste link: https://www.cantinho.../identifique-se.html Para receber um EBOOK ( gratis ) deixe seu email: https://www.cantinho...newsletters/cadastro

Assista
00:03:29
Visualizações: 1154

Publicado em: 28/07/2017

História sonorizada com percussão corporal e instrumentos musicais.

Assista
00:06:25
Visualizações: 1978

Publicado em: 23/04/2017

Exercícios práticos para aquecimento vocal e trabalhar sua voz Leia o artigo/entrevista: https://www.cantinho...alima_guimaraes.html

Assista
00:03:08
Visualizações: 619

Publicado em: 01/04/2017

Educação Infantil e Fundamental: Produção sonora com bolinhas explorando a iniciativa de gestos e movimentos corporais, reagindo ao discurso sonoro "Sonata em C, W.A.Mozart - primeiro movimento". ARTIGO RELACIONADO: https://www.cantinho...ducacao_musical.html

Assista
00:03:11
Visualizações: 1815

Últimos Artigos

Todos os artigos 18 Artigos Disponíveis
Publicado em: 22/04/2017

Como manter sua Saúde Vocal? (Entrevista com Andréa Costalima Guimarães)

1. A voz é sem dúvida uma das principais ferramentas de trabalho do professor. Quando perdemos a voz, fica muito difícil de realizar nosso trabalho. Como podemos evitar a rouquidão? Os principais hábitos nocivos à boa voz, que põem em risco a sua saúde são: Pigarrear ou “raspar a garganta”, tossir, gritar, competição sonora (falar mais alto quando há barulho), poluição, ingestão de álcool, uso de fumo e drogas, “receitas milagrosas para cura de rouquidão” (conhaque com mel, comer cebola, bala de gengibre, de hortelã...). Para se preservar a voz, pequenos hábitos fazem diferença como: cuidar da saúde - evitar resfriados, gripes, alergias e todo tipo de doença que comprometa o aparelho vocal, pois o uso da voz num período de convalescença provoca sobrecarga ao trato vocal. O melhor é prevenir contra qualquer infortúnio físico: alimentando-se corretamente (dieta equilibrada, com vitaminas e sais minerais), praticar exercício físico, ingerir muita água, dormir bem. Beber água é de fundamental importância, pois uma hidratação correta (8 copos de água no mínimo, por dia) permite boa flexibilidade e vibração das pregas vocais. O sono descansa as pregas vocais e esse repouso é necessário para que a voz se “refaça”. 2. O que é saúde vocal? Para se ter uma boa saúde vocal, algumas normas devem ser seguidas por todos, em especial por aqueles usam mais a voz ou que tem predisposição a adquirir alterações vocais. Uma voz saudável possui aspecto limpo e claro, emitida sem esforço e agradável ao ouvinte. A saúde vocal permite ao indivíduo variar quanto a frequência, qualidade, modulação e intensidade, de acordo com o contexto da comunicação. 3. O muco (secreção na garganta) incomoda muito tanto ao falante quanto ao cantante. Como ele é formado e como evitá-lo? A produção de muco é uma defesa do organismo contra antígenos, impedindo-os de entrar no corpo através dos orifícios naturais. Geralmente ele é formado quando algo está em desequilíbrio na saúde como: atuação de vírus e bactérias, cansaço e sobrecarga física. A melhor maneira de evitá-los é cuidar da saúde, evitar baixa de imunidade, repouso restaurador e manter-se muito hidratado. Pigarrear é nocivo, provocando efeito rebote. Para limpar a secreção beba muita água e mantenha as vias respiratórias higienizadas com soro fisiológico. 4. É verdade que existem alimentos que podem evitar a rouquidão? Não. Nenhum alimento evita a rouquidão. Existem alimentos que favorecem a saúde vocal como a maçã, que é rica em antioxidantes, combatendo os radicais livres e favorecendo a restauração das celulas, evitando envelhecimento precoce. A maçã ainda possui ação adstringente, ajudando na higienização da garganta. 5. Muitos dizem que a maçã e o gengibre auxiliam na saúde vocal. Até onde estes alimentos contribuem com nossa voz? A maçã como já foi dito é uma fruta completa, auxilia toda a saúde do organismo. O gengibre tem ação anti-inflamatória, descongestionante e é termogênico (eleva a temperatura). Pensando em saúde o gengibre é ótimo, porém não há relação comprovada do uso do gengibre para a saúde vocal. 6. Andréa, nos ensine 5 hábitos que todo educador deve adotar para melhorar sua saúde vocal. As cinco premissas são: hidratar, aquecer, alongar, tonificar e repousar. Uma voz com esses hábitos dificilmente tem algum problema. 7. Agora na prática: Vamos aprender exercícios para fazer antes das aulas para evitar a rouquidão: Alogamento: • Deve-se alongar o corpo em todas as direções, em especial a área do pescoço e face. • Estique a língua (sentindo alongar a base da língua). • Bocejar. Aquecimento: • Vibração de língua (ou lábios) subindo a escala, começando dos tons médios (região natural de fala). Desaquecimento (este para o final da aula): • Vibração de língua (ou lábios) descendo a escala, começando dos tons agudos. Segue um vídeo com exercícios práticos para aquecimento vocal e trabalhar sua voz: PARA SABER MAIS SOBRE SAÚDE VOCAL: BEHLAU, Mara; PONTES, Paulo. Higiene Vocal – Cuidando da voz. 4ª ed. São Paulo: Revinter, 2009 BEHLAU, Mara; REDHDER, Maria Inês. Higiene Vocal Para o Canto Coral. 2ª ed. São Paulo: Revinter, 2009. BEHLAU, Mara. O livro do especialista. Volume II, 2005. Rio de Janeiro: Revinter, 2005. PINHO, S. M. R. Fundamentos da fonoaudiologia – tratando os distúrbios da voz. 2ª ed. Rio de Janeiro: Nova Guanabara, 2003. PINHO, S. M. R. Manual de higiene Vocal para profissionais da voz. 1ª ed. São Paulo: Pro-Fono, 1997. Prof. Débora Munhoz Barboni Formação em Arte com ênfase em Musica, Pós Graduação em Educação Infantil e Psicopedagogia.

Leia Mais
Publicado em: 05/04/2017

Escuta Ativa na Educação Musical

Todos os dias, somos bombardeados por sons vindos de todos os cantos. Só não ouve quem apresenta um problema auditivo, mas e o escutar? Quando estamos falando sobre o “escutar” estamos refletindo sobre o ato de ouvir com atenção, compreender a informação internamente. Um dos objetivos da educação musical é proporcionar a criança vivências onde ela poderá escutar ativamente , onde ela se envolverá com a canção ou a música instrumental gradativamente, levando-a à identificação dos elementos da música de uma forma lúdica de modo que ela desenvolva afeição pelo estilo musical apresentado e possa construir boas memórias, o que fará toda a diferença no futuro gosto musical dela, além de ampliar seu padrão musical cerebral. Precisamos fazer primeiro com que ela escute atentamente essa música e perceba nela suas características – se é alegre, triste, rápida, lenta, quais instrumentos a executam, quantas partes tem, etc. Essa escuta dirigida deve ser ativa, pois a criança demonstra muito interesse por movimento. Portanto, o professor observando estes interesses, poderá aproveitá-los nas suas aulas. A criança pode em determinadas partes da música bater palmas, bater os pés, girar o corpo, fazer uma grande roda com os amigos, ou seja, fazer movimentos que correspondam a estrutura da música. O professor como facilitador de experiências sugerirá ideias, porém deve dar a oportunidade para que o aluno também seja protagonista de sua aprendizagem, sugerindo movimentos , se expressando livremente em alguns momentos, para que ele participe de tal maneira, que a música se torne lúdica e assim ele se aproprie dela. Essa pesquisa musical ampliará o desenvolvimento integral desta criança e fará com que seu ouvido seja ativo diante de qualquer estilo musical. Para que este objetivo seja concretizado, temos que pensar que a educação musical é um processo gradativo, construído e que oferece diversas propostas. Em uma aula, as crianças vivenciam a música através de movimentos, em outra ela poderá desenhar ouvindo a mesma música, em outro momento podemos fazer uma brincadeira com instrumentos musicais utilizando a música, ou seja , o professor deve proporcionar atividades diversificadas para que tudo se torne divertido e rico de estímulos. Segue um vídeo com alguma ideias para serem aplicadas na Sonata em C (Mozart). Link do Vídeo: https://www.cantinho...tiva_com_mozart.html Trabalhamos uma produção sonora com bolinhas, explorando a iniciativa de gestos e movimentos corporais, reagindo ao discurso sonoro "Sonata em C, W.A.Mozart - primeiro movimento". Se quer mais artigos com vídeos práticos como este, curta e compartilhe para ajudar na divulgação e para que eu perceba seu interesse neste tipo de formato. Para mais informações sobre cursos presenciais, clique aqui: Link do curso: https://www.cantinho...ncas_ate_8_anos.html Prof. Débora Munhoz Barboni Formação em Arte com ênfase em Musica, Pós Graduação em Educação Infantil e Psicopedagogia.

Leia Mais
Publicado em: 02/04/2017

Musica e autismo, uma dupla que dá certo

O autismo é um universo desconhecido por muitas pessoas. É um transtorno que desafia a ciência, por ser complexo, ter causa desconhecida, diferentes graus que apresentam tanto crianças que não conseguem falar, quanto outras que apresentam habilidades extraordinárias. Geralmente, quando os pais descobrem que tem um filho autista, se sentem bem confusos e temerosos, principalmente em relação ao grau do transtorno. Os estudos mostram que a rede de neurônios que coordenam no cérebro a comunicação e os contatos sociais, são organizados de uma forma diferente em autistas. O transtorno afeta quase todos os aspectos do comportamento humano: a fala, o interesse por amizades e vida social, os movimentos do corpo, as emoções e interações. O autismo deve ser diagnosticado precocemente, por meio de testes de comportamentos e questionários respondidos pelos pais. Sabemos que a plasticidade cerebral (estrutura cerebral que é capaz de se modificar de acordo com os estímulos recebidos) é muito intensa dos 0 à 6 anos. Nesta fase inicial, o tratamento apresenta melhores resultados. Depois disso, as deficiências são agravadas, portanto, é essencial buscar ajuda caso a família perceba índicos de autismo no seu filho, que são eles:    •  Atrasos na fala;    •  Olhar distante. Muitas vezes não responde quando é chamado pelo nome;    •  Não interage a estímulos afetivos como um olhar, um abraço ou um sorriso.    •  Atitude ausente;    •  Quando bebezinho, não estica os braços para ser tirado do berço. Muitas vezes para chamar atenção prefere fazer movimentos repetitivos;    •  Brinca de forma sistemática, não lúdica. Ex: Em vez de interagir com o boneco (mundo da imaginação), prefere alinha-lo a outros brinquedos, enfileirando-os;    •  Na presença de outras crianças se isola, por falta de interesse. Ao perceber estes indícios, os pais devem procurar ajuda de um especialista, pois só ele poderá dar o diagnóstico. O tratamento do autismo é multidisciplinar (envolvendo psicólogas, psicopedagogos, terapeutas comportamentais, etc) e deve ser iniciado o mais rápido possível, pois o autismo traz uma série de fatores aliados. É importante a união e colaboração de todos que tem contato com a criança autista, principalmente da família, além de muita paciência e amor pela criança durante o processo, que muitas vezes, dependendo do grau do transtorno, é lento. Respeitar o tempo e o limite da criança é muito importante, mas sem deixar de trabalhar as dificuldades. É importante ensinar a criança autista, que para um relacionamento funcionar, são necessários pequenos gestos de gentileza (contato visual, cumprimentar as pessoas, conversar,etc.). Indivíduos autistas não possuem estas habilidades, mas é algo que pode ser aprendido, apesar de para eles, não ser algo natural e prazeroso. Apesar de ser um transtorno incurável, as pesquisas mostram que existem muitos autistas que por terem boa assistência durante a infância, cresceram, se desenvolveram muito bem e muitos inclusive apresentaram inteligência superior em certas áreas, se destacando no mercado de trabalho. O fato de pensar de uma forma muito lógica, faz com que muitos autistas tenham muita facilidade em matemática e em música. Aliás, cada vez mais estudos apontam a música como ferramenta poderosa para desenvolver habilidades, inclusive em crianças autistas. Somos estimulados através dos sons (matéria-prima da música), desde o quinto mês de vida intra-uterina, quando nosso sistema auditivo está apto para receber informações. A música é interessante para a criança desde sempre e isso é maravilhoso, porque a motivação (vontade e interesse em querer aprender o conteúdo) é essencial para a construção da aprendizagem. Os pais dos autistas geralmente recebem orientações, para que estejam atentos aos interesses do seu filho, porque ao descobri-los, poderão utiliza-los como links para desenvolver diversas habilidades. A música é sem dúvida uma destas pontes, que atraem a atenção da criança autista e que é uma facilitadora de aprendizagens. Estudos de ressonância magnética funcional, apontam que a música causa um efeito único em pessoas autistas, principalmente como intervenção terapêutica. A música, quando utilizada de forma adequada, é capaz de relaxar, trazer sensação de bem-estar, o que pode auxiliar de forma natural, no tratamento em conjunto com outras terapias. Outro fato importante, é que pessoas com TEA (Transtorno do Espectro Autista), apesar de terem grande dificuldade em perceber sentimentos nas expressões faciais, são capazes de perceber sentimentos de alegria e tristeza em uma peça musical, ou seja, os sentimentos de uma peça musical torna-se mais claro para um sujeito com TEA do que a visualização de expressões faciais. A música tem o poder de ser uma facilitadora de comunicação, mas para que o autista seja realmente beneficiado, com resultados à longo prazo, é necessário que a música seja utilizada de acordo com os interesses da criança, com um professor que realmente conheça as especificidades do transtorno e que saiba utilizar técnicas de musicoterapia (terapia alternativa que utiliza a música como ferramenta para desenvolver habilidades e objetivos pré-estabelecidos no indivíduo). Nas aulas, são utilizadas atividades que promovem um vínculo de respeito e confiança entre o aluno e o professor, que planeja as interações de acordo com a maturação biológica do aluno. O espaço onde as aulas acontecem deve ser seguro, livre de distrações e o material oferecido não deve oferecer qualquer perigo. Nas aulas de música para autistas, as atividades são diversificadas, com metas bem definidas. Os exercícios são lúdicos, com diversos objetivos, como socializar a criança (através de brincadeiras de roda, brincadeiras em dupla onde o contato visual é estimulado e valorizado), desenvolver sua psicomotricidade (através de jogos psicomotores, pedagógicos, canções utilizando sons do corpo, manuseando instrumentos musicais), a linguagem (através de jogos cênicos, contação e organização de histórias cantadas com figuras associadas, jogos de tabuleiro), dentre outros. Brincando, a criança associa gestos e movimentos a conceitos musicais mais abstratos, aprende regras sociais, aumenta sua expressividade e descobre o mundo de forma agradável. Além disso, descobrimos através das brincadeiras, os interesses e necessidades individuais da criança, o que é de suma importância, pois através destas descobertas, as pessoas que interagem com o autista poderão utilizar estes interesses como temas para desenvolver conteúdos específicos. Exemplo: muitos autistas demonstram interesse por animais, dinossauros, outros preferem carrinhos, trens, etc. O professor geralmente percebe estes interesses e utiliza nas aulas, pois a motivação é essencial para a construção da aprendizagem de diversos conteúdos. A música é uma arte extremamente acessível a todas as classes sociais. As famílias também podem estimular seus filhos em casa através da música. Existem músicas sobre qualquer tema, para trabalhar diversos conteúdos. É necessário, porém, muita pesquisa, dedicação e muita observação por parte da família em relação à criança, no sentido de descobrir os interesses dela, para fazer com que ela se interesse em interagir com as propostas. Se a criança gosta de pular, procure músicas que estimulem os movimentos corporais. Se a criança demonstra interesse por instrumentos musicais, compre tamborzinhos, clavas, chocalhos e toque com ele, acompanhando diversos estilos musicais. Se ele gosta de brincar com a bola, ligue o som com uma música que ele gosta e brinque de bola com ele olhando nos olhos e toda vez que ele olhar nos seus olhos, comemore com muita animação. Sabemos o quanto é difícil para o autista o contato visual, portanto, devemos criar atividades que estimulem o desenvolvimento desta habilidade. Brincar com a música, é muito mais do que diversão. É uma linguagem essencial, onde a criança aprende a se expressar melhor e descobrir o mundo. Ela pode ser a ferramenta que fará grande diferença no desenvolvimento e na qualidade de vida da criança autista. A música está disponível a todos e é muito poderosa. Que tal experimentar? Prof. Débora Munhoz Barboni Formação em Arte com ênfase em Musica, Pós Graduação em Educação Infantil e Psicopedagogia.

Leia Mais
Publicado em: 19/03/2017

Como trabalhar a Páscoa com as crianças

Hoje vamos falar sobre um dos posts mais pedidos por vocês curtidores do Cantinho da Música: "Como trabalhar a Páscoa com as crianças" Analisando o perfil das pessoas que curtem a página, noto que tenho muitos seguidores que são professores de sala de aula, pais e educadores musicais também. Portanto, escrevi este post pensando com carinho em todos vocês, com propostas que todos vocês irão gostar de fazer com suas crianças em casa ou em sala de aula (de acordo com os interesse de cada uma). Em relação a abordagem da temática na escola, alguns fatos devem ser levados em conta. Acredito que primeiramente, o contexto do colégio deve obviamente ser analisado, ou seja, se é um colégio religioso ou laico, pois isso fará toda a diferença no tipo de postura que a escola assumirá diante desta comemoração. Como professora de música e educadora, acredito que a Pascoa é uma oportunidade de enfatizar com meus alunos a importância do compartilhar. Muito mais importante do que ganhar ovos, é o sentido de partilha e solidariedade. Vamos conhecer algumas curiosidades históricas. Os historiadores encontram provas que demonstram que a páscoa já era comemorada há milhares de anos por civilizações antigas, sempre com o objetivo de comemorar uma passagem. Os europeus comemoravam a chegada da primavera, os judeus comemoravam a festa da colheita (para agradecer o alimento e bênçãos recebidas) e mais tarde para comemorar o fim da escravidão do Egito. Os cristãos comemoram a Ressurreição de Cristo; ou seja, a páscoa é uma data para comemorarmos uma transformação boa, a vida (por isso o ovo a representa), a chegada de algo melhor que está por vir.... o estar e comemorar juntos. A Páscoa é comemorada no mundo de diversas formas. Veja este artigo: http://nomadesdigita...a-pascoa-pelo-mundo/ Em relação ao trabalho na sala de aula utilizando a páscoa como temática. Segue um artigo bem interessante que achei: http://educarparacre...-escola-624397.shtml Para enfatizar a importância de compartilhar entre as pessoas, segue um vídeo que preparei com muito carinho para vocês cantarem com suas crianças. É uma história cantada que faz parte do meu CD "Vai começar". Ela se chama "Bolo de Cenoura" (autoria: Débora Munhoz Barboni e Carla Calabria). Para adquiri-lo, clique aqui: Para assistir este vídeo clique na figura acima. (Caso não seja possível cole este link em seu navegador: https://www.cantinho...olo_de_cenoura.html) Depois de contar a história, sugiro uma roda de conversa com as crianças para identificar os conhecimentos já adquiridos sobre a temática. Algumas sugestões de perguntas:     1. Como sua família comemora a páscoa?     2. Como podemos ajudar os outros?     3. A Páscoa é o único dia que devemos compartilhar? Aliás, vamos trabalhar o "compartilhar" na prática? Que tal propor a produção do bolo de cenoura para ser partilhado entre todos? O professor poderá trabalhar a escrita da receita, dialogar sobre pesos e medidas de cada ingrediente e juntos fazerem o bolo. Sugestão de atividade antes da culinária: CAÇA AO TESOURO Uma sugestão divertida é fazer uma caça ao tesouro com as crianças. Conforme elas desvendam as pistas, um ingrediente do bolo deve ser encontrado. Exemplo de pistas que podem ser propostas (você pode também utilizar desafios musicais se preferir): http://www.tempojunt...m-criancas-pequenas/ (para crianças da educação infantil) http://www.tempojunt...ivertir-as-criancas/ (para crianças do ensino fundamental) Depois, de encontrarem todos os ingredientes, chegou a hora de construir e depois comer o bolo juntos!!! Certamente será um dia divertido que pode ser feito na escola, em casa, entre os amiguinhos, etc. Um dia onde passaremos um tempo de qualidade juntos, cantando, brincando, ampliando os conhecimentos, desenvolvendo a amizade e compartilhando. E este é o objetivo da pascoa. Feliz pascoa!!! Prof. Débora Munhoz Barboni

Leia Mais
Publicado em: 11/02/2017

Como trabalhar marchinhas de carnaval em sala de aula? ( Dicas Práticas )

Ó Abre alas que eu quero passar!!! É impossível ouvir essa música e não sentir alegria ou vontade de dançar; e foi essa a intenção que Chiquinha Gonzaga teve ao compor sua primeira Marcha Carnavalesca, há 118 anos atrás para o cordão carnavalesco Rosas de Ouro. É uma marchinha animada que passa de geração em geração e que deixam as crianças motivadas a dançar, cantar e se divertir nos “bailinhos de carnaval”. Aliás, o carnaval (essa festa popular) é uma boa oportunidade para contextualizar e apresentar às crianças este gênero musical que faz parte das comemorações carnavalescas: As marchinhas de Carnaval. Muitas possuem letras inocentes, arranjos animados e foram feitas por grandes compositores da época, como é o caso de Chiquinha Gonzaga. Uma sugestão para iniciar o projeto é fazer uma roda de conversa com as crianças, onde o professor perguntará o que é o carnaval, quais são as atrações, etc. O professor pode apresentar fichas com fotos de máscaras, trio elétrico, fantasias, confetes e serpentinas para apresentar ás crianças alguns itens carnavalescos. Pergunte aos alunos se eles sabem cantar alguma música tocada em carnaval (proponha uma pesquisa em casa com os pais, sobre quais músicas eles gostam de ouvir no carnaval). Anote o que as crianças falam e depois mostre uma marchinha (ex.: Ó abre alas - Chiquinha Gonzaga). Informe que a MARCHINHA é um gênero musical feito para facilitar o desenvolvimento dos desfiles e no caso do “Abre Alas”, Chiquinha Gonzaga ao ouvir os ensaios do cordão (Escola de Samba) da Rosas de Ouro, resolveu compor no piano uma canção que trouxesse bastante alegria no momento que a escola desfilasse. Os cordões eram geralmente constituídos por pessoas sem poder aquisitivo para possuir instrumentos musicais, a não ser os de percussão e liderados por capoeiristas, onde cantavam juntos apenas estribilhos e quadrinhas soltas, com ritmo batucado. Era tudo muito simples e Chiquinha Gonzaga resolveu trazer mais “cor” para o momento do desfile através de sua música. Ó Abre Alas de Chiquinha Gonzaga, foi a primeira marcha feita para o Carnaval e desde então, a música carnavalesca foi ocupando cada vez mais seu espaço. Para saber mais sobre Chiquinha Gonzaga, clique neste link: http://chiquinhagonz...ga.com/wp/biografia/ É muito interessante neste momento, trabalhar além da letra da canção, a história do compositor que a criou. Indico a coleção “Crianças Famosas” (Callis Editora), que nos ensina de uma forma prática e lúdica, a história do artista desde criança, o que é muito interessante para fazer a criança se identificar e gostar do personagem. Segue o link: https://chiquinhagon...as-por-edinha-diniz/ Você não precisa contar a história inteira do compositor em uma única aula! Trabalhe aos poucos, para que as crianças acompanhem o passo-a-passo. Sempre esteja atento ao interesse da criança. Tenha essa sensibilidade de parar e mudar quando necessário. Ouça novamente com as crianças a música escolhida (ex.: Ó Abre alas), comente sobre a letra da canção e peça para as crianças desenharem o que mais lhe chamou a atenção. Em uma outra aula, cante novamente com as crianças, e faça uma dramatização, utilizando os elementos que foram contados na história. Que tal criarem juntos uma coreografia coletiva para a marchinha? Em uma outra aula, proponha uma brincadeira: Passe a bola. A brincadeira é simples: Ao som da marchinha escolhida, as crianças sentadas em roda passarão a bola para o amigo enquanto ouvir a canção tocada no rádio. Quando a música parar, a criança que estiver com a bola deverá lembrar de algum item carnavalesco (ex.: máscaras, música, fitilhos, etc.). Outra brincadeira que trabalha a criatividade é o “Siga o mestre”. Faça uma fila com crianças que marcharão ao som de uma música. Ao ouvir o apito, quem está na frente deverá criar um movimento que deve ser imitado por todos. Depois, a criança que criou o movimento irá se encaminhar ao final da fila para a brincadeira recomeçar. Agora, quem estiver em primeiro lugar da fila deverá criar o próximo movimento. Que tal gravar as crianças cantando e depois todos ouvirem juntos? Depois disso, o professor pode sugerir que cada uma construa um chocalho para depois tocarem juntos acompanhando diversas marchinhas de carnaval, no “grande baile”, que será o fechamento do projeto. O chocalho pode conter pedacinhos de EVA coloridos de tamanhos diferentes e arroz, por exemplo. Na minha página do facebook “Cantinho da Música” existe um vídeo feito pelo professor Marcos L. Souza onde ele nos ensinou o passo-a-passo para a construção de um chocalho. Em uma outra aula, entregue os chocalhos para todos tocarem e cantarem juntos ao som das marchinhas. Depois do momento “exploração”, subdivida o grupo em dois e combine o momento que um dos grupos irá cantar e o outro realizar as “pontuações sonoras” com os instrumentos. Depois inverta os papéis para que todos possam ter a oportunidade de cantar e de tocar juntos. Com os maiores, criem juntos um arranjo coletivo para a marchinha escolhida. O professor pode contextualizar com vídeos e apresentar não só a marchinha escolhida “Ó abre alas”, como também outras marchinhas carnavalescas. Ex. de vídeo: https://www.youtube..../watch?v=k9mxcYOFt4A Aproveite para conversar com os alunos sobre os instrumentos musicais presentes nos arranjos dos vídeos. Com as crianças do Ensino fundamental, o professor pode sugerir que cada aluno crie uma paródia com a marchinha escolhida e com um tema que a criança goste; que pode ser brincadeira, futebol, família, etc. Faça uma exposição das paródias criadas pelos alunos no dia do fechamento do projeto (Grande Baile). Se for possível, organize um portfólio com fotos documentando todas as etapas do projeto para que as crianças levem para casa todo registro das atividades. Para o grande dia (Grande Baile), todos poderão trazer fantasias, máscaras confeccionadas, chocalhos e muita alegria para dançarem juntos e cantarem marchinhas carnavalescas. Outras brincadeiras que podem ser feitas no dia do “ Grande Baile” para tornar tudo mais divertido são: “Siga o chefe”, “Corre Cotia”, brincadeiras de roda, dança das cadeiras, etc. O importante é promover atividades lúdicas que estimulem a compreensão da festa como cultura brasileira e, ao mesmo tempo, promover a socialização e a diversão entre as crianças nestas primeiras semanas de aula. Notem que todas as atividades não acontecem na mesma aula. É um processo gradual, construído de acordo com os interesses da criança e de forma lúdica. Desta forma, desenvolvemos o canto, a concentração, criatividade, prática de conjunto, conhecimento da história da cultura brasileira, conhecimento de instrumentos musicais e compositores brasileiros como Chiquinha Gonzaga, compreensão de texto, etc. Espero que este artigo tenha lhe ajudado! Deixe nos comentários, sua opinião sobre as atividades propostas neste artigo, e como você costuma comemorar o carnaval com seus alunos e/ou filhos. Aproveite também para dar sugestões sobre outros temas de seu interesse no site “Cantinho da Música”, e não esqueça de fazer seu cadastro para receber notícias, promoções e ter acesso exclusivo a área de downloads através do link: https://www.cantinho...br/novo-usuario.html E para terminar, seguem outras sugestões de marchinhas interessantes para que pesquise e trabalhe com suas crianças: 1. Allah-la-ô (Haroldo Lobo- Nassara) 2. Me dá um dinheiro aí (Ivan Ferreira- Homero Ferreira) 3. Mamãe eu quero (Vicente de Paula e Jararaca) 4. A Jardineira (Benedito Lacerda) 5. Cidade Maravilhosa (André Filho) Prof. Débora Munhoz Barboni Prof. de Música www.cantinhodamusica.com.br

Leia Mais
Publicado em: 06/08/2016

11 razões para as famílias investirem na educação musical de seus filhos, desde cedo

Foi-se o tempo em que brincar com música era considerada apenas uma forma de se divertir e se sentir bem. Com estudos e pesquisas comprovadas pela Neurociência (conjunto de ciências que estudam como aprendemos e nos desenvolvemos), atualmente temos conhecimento que estudar música desde pequeno pode fazer muita diferença no desenvolvimento integral da criança a longo prazo. Vejam 11 razões para famílias investirem na educação musical de seus filhos o mais rápido possível: 1. A música ajuda no desenvolvimento neurológico da criança Uma pesquisa realizada pela Universidade de Vermont nos EUA, constatou depois de analisar tomografias de 232 crianças entre 6 e 18 anos, que as crianças que estudavam música desde a infância apresentavam ganhos positivos e duradouros em relação ao desenvolvimento cerebral. Os estudos afirmaram que estudar música melhora as funções executivas do cérebro, responsáveis por habilidades como memória, controle da atenção, organização e planejamento do futuro. Isso acontece porque praticar música, como tocar um instrumento musical, exige foco e disciplina, além de utilizar a coordenação das mãos, senso rítmico, estimulo visual e auditivo. 2. O aprendizado musical modifica fisicamente o cérebro, principalmente na primeira infância (0 a 6 anos) e os ganhos se mantém por toda a vida Com os estudos avançados da Neurociência, hoje temos informações seguras que o período entre 0 e 6 anos é de extrema importância para o desenvolvimento infantil. É a fase de estruturação do Sistema Nervoso, onde comportamentos são aprendidos e consolidados. Em uma entrevista à Revista Pais e Filhos, a neurocientista Elvira Souza Lima explica: “Música é a atividade artística mais completa. Pode ser um instrumento, palmas marcando um ritmo, um canto ou uma dança, a música oferece um grande impacto no desenvolvimento e prepara o cérebro para executar diferentes funções. A música é campeã em ativar redes neuronais no cérebro. Uma criança que começa antes dos 7 anos a estudar música tem maiores possibilidades de os lados esquerdo e direito do cérebro se comunicarem melhor, desenvolvendo a atividade do pensamento 3. Todos podem desenvolver a inteligência musical Howard Gardner, professor da Faculdade de Harvard, ganhador de diversos prêmios, afirma que o que leva as pessoas a desenvolverem a inteligência (inclusive a musical) é: O ambiente que vivem, experiências significativas que proporcionem a vontade de praticar, a educação e as oportunidades que surgem ao longo da vida. Gardner afirma que todo individuo nasce com um vasto potencial de inteligências, mas que estas só vão aflorar, se forem estimuladas e praticadas. Todos podem desenvolver a inteligência musical se praticarem. 4. As experiências musicais na infância ajudam a controlar melhor o corpo e a desenvolver a expressividade e a coordenação rítmica Desde uma brincadeira de roda, ou tocar um instrumento musical, nas aulas de música, o cérebro é desafiado a utilizar diversas coordenações ao mesmo tempo (cantar/dançar, cantar/tocar/dançar, dançar/tocar, etc.) Essas informações são assimiladas pelo cérebro através dos sentidos, colaborando de forma significativa nas aquisições linguísticas, sociais e cognitivas, lembrando que todos os aspectos do desenvolvimento (motor, intelectual e afetivo) estão interligados e um exerce influência sobre o outro. A neurocientista Viviane Louro afirma em seu livro “Fundamentos da aprendizagem musical” que a música requisita funções perceptivas, cognitivas e executivas e mais o aparato psicoemocional exigido pela arte, auxiliando do desenvolvimento das estruturas cerebrais, o que automaticamente educa os movimentos do corpo. 5. A música é uma linguagem naturalmente atraente para a criança A música desenvolve diversas habilidades, porque ela é interessante para o bebê desde sempre. Estudos mostram que quando o bebê nasce ele já foi estimulado através dos sons (dentro da barriga da mãe) e das pessoas que cuidam dele (depois do nascimento), que geralmente brincam com ele utilizando a música. Desde muito cedo o bebê cria memórias positivas com essa linguagem. As aulas de musicalização infantil são muito úteis na primeira infância, pois unem duas ferramentas muito significativas para a criança: canções e brincadeiras; ou seja, através de histórias sonorizadas, brincadeiras de roda, brincadeiras de mãos, tocando ou construindo instrumentos musicais, etc, a criança interage em um ambiente de sensibilização, reflexão e prática musical e vai desenvolvendo habilidades que irão auxiliá-la em seu desenvolvimento integral, como desinibição, maior expressividade, desenvolvimento psicomotor mais consolidado, maior criatividade, etc, além de vivenciar os elementos musicais de forma prazerosa, o que irá facilitará e muito a aprendizagem de um instrumento musical, caso surja esse interesse por parte dela no futuro. 6. Os estilos musicais que escutamos durante nossa vida, tendo experiências positivas, fazem toda a diferença no nosso gosto musical na fase adulta A Neurocientista Suzana Herculano-Houzel afirmou em uma entrevista que o repertório musical de escuta de uma pessoa é desenvolvido ao longo de sua vida de acordo com o meio social que está inserida e pelas experiências significativas que teve com certos estilos musicais. Ou seja, se a pessoa adulta gosta de música erudita (clássica), provavelmente ela teve contato com este repertório em diversos momentos prazerosos de sua vida, que a levaram a ter memórias positivas em relação a este estilo musical. 7. A música é interdisciplinar A música é uma linguagem matemática, mas ao mesmo tempo afetiva sempre inserida em um contexto social. Por ser tão poderosa e influente, através dela podemos aprender qualquer conteúdo, pois é uma linguagem que traz a motivação necessária para aprender. Por isso é tão utilizada em diversas rotinas nas escolas de Educação Infantil, além de ser utilizada também para trabalhar tabuada, inglês, etc. 8. Praticar música ensina a importância da disciplina. Para tocar bem um instrumento musical, é necessário disciplina. É necessário se organizar para praticar e melhorar suas habilidades no instrumento. A criança de um modo geral deseja resultados imediatos e, ensiná-las a persistir, a não desistir quando surgem os desafios de tocar o repertório musical, são treinos importantes para o ser humano e para sua educação global. Portanto, além de desenvolver suas habilidades musicais, a criança aprende o quanto é importante praticar para melhorar em qualquer área de sua vida, inclusive a musical. 9. A música melhora a autoestima e o autoconhecimento da criança Nas aulas de musicalização, as atividades musicais são coletivas e favorecem a socialização e o desenvolvimento emocional da criança. Mais tarde, caso a criança aprenda a tocar um instrumento musical, ela aprenderá desde cedo à importância da prática, do foco, da perseverança e da disciplina para melhorar, além de enfrentar o medo de errar e lidar com a dificuldade. Porém, para que ela possa usufruir destes benefícios, ela precisa ter o apoio e a paciência dos pais durante o processo, que devem ter o papel de incentivadores, que valorizam a prática musical e gastam tempo ouvindo seus filhos tocarem o instrumento Quando a criança mostra o repertório musical que está aprendendo, sua autoestima aumenta e isso contribuirá para que ela tenha mais confiança para persistir perante outros desafios que terá em sua vida (pois associa a conquista deste, ao sucesso dos demais desafios que virão). 10. A música desenvolve o vínculo afetivo entre aqueles que juntos a praticam A música na infância sempre vem acompanhada de momentos afetivos, sejam brincadeiras cantadas envolvendo mãos, toque, roda, tocar e cantar juntos, ou seja, atividades que fazem com que as pessoas interajam entre si de uma maneira divertida. Cada pessoa traz consigo uma cultura musical que aprendeu com sua família, na escola, com amigos, com pessoas que são importantes na vida dele. Essas canções passam de geração em geração, porque ficam na memória pelo fato de ter qualidade afetiva e grande carga emocional. As atividades coletivas musicais entre a família, por exemplo, nos deixam memórias positivas e marcantes, por isso devem ser estimuladas e praticadas. 11. A música traz benefícios a longo prazo A música pode fortalecer áreas cerebrais importantes nos primeiros anos de vida, quando a neuroplasticidade (capacidade do cérebro de modificar sua estrutura e função através de experiências anteriores) é maior, mas é preciso salientar que a plasticidade continua na fase adulta. Nunca é tarde para praticar música. Ao aprender a tocar um instrumento musical, por exemplo, estamos exercitando nossas habilidades mentais, refinando nossa capacidade de ouvir e desenvolvendo o controle motor fino, o que ajudará na firmeza de equilíbrio e na crescer em mobilidade. Ou seja, desenvolvendo essa nova habilidade, programaremos nosso cérebro para envelhecer em melhores condições. Não é à toa que hoje existe a Lei 11.769, que obriga todas as escolas ofereceram aula de música para as crianças. Os benefícios são gigantescos. Seus filhos merecem crescer em um ambiente onde a música seja valorizada. Além de diversas memórias positivas que ele terá, todo seu desenvolvimento será beneficiado. Dessa forma, nossos filhos poderão usar seu tempo com mais qualidade e utilizarão a música como amiga e companheira, nos momentos difíceis e alegres da vida. Prof. Débora Munhoz Barboni Prof. de Música www.cantinhodamusica.com.br

Leia Mais
Publicado em: 06/08/2016

Entrevista para Nestlé Começar Saudável: 5 temas que toda família precisa saber sobre música para crianças

Profa. Débora Munhoz Barboni possui formação em Música e Artes, além de Pós-graduação em Psicopedagogia e Educação Infantil. Atualmente trabalha no Colégio Visconde de Porto Seguro em São Paulo/Capital. É mãe, tem uma filha de 8 anos (Ana Beatriz) para a qual ministra aulas de música desde dos 9 meses de idade. 1. Débora, nós sabemos que a música interessa a todos e pode trazer mais qualidade de vida, inclusive às mulheres grávidas. Quais os benefícios da música na gravidez? Os benefícios são muitos, tanto para a mãe, quanto para o bebê. Durante a gravidez, muito do que a gestante tem contato (a comida e bebida que consome, o ar que respira, as químicas as quais se expõe, as emoções que sente, etc) são compartilhadas da mesma forma pelo feto, que incorpora estes elementos no seu corpo. A música tem o poder de acalmar e relaxar a grávida, que naturalmente está em uma fase mais sensível. Definitivamente a música possui grande influência em nossas emoções. Ela pode trazer mais ânimo nas tarefas do dia-a-dia, fazendo a grávida se sentir mais disposta. Fazer ginástica ouvindo música, por exemplo, ajuda e muito na performance, especialmente quando o ritmo acompanha a freqüência cardíaca máxima. Recentes pesquisas mostram que melodias agradáveis induzem a liberação de sustâncias em nosso corpo, que causam sensação de bem-estar e podem inclusive aliviar a dor crônica. Pesquisas científicas mostram que quando ouvimos ou praticamos uma música que gostamos, o cérebro produz a dopamina, que é o neurotransmissor que traz sensação de prazer; dentre outros. Hoje temos cursos de música específicos para grávidas, onde elas experimentam o poder dos sons, através de atividades envolvendo a musicoterapia, e recebem dicas para aplicar a música em casa de maneira saudável. Isso é maravilhoso, porque a grávida se sente com mais energia, feliz, com maior auto-estima e isso afeta diretamente o bebê em seu bem-estar. Outra razão para utilizarmos a música na gravidez, é que pesquisas recentes da psicologia e biologia afirmam que muitas aprendizagens importantes acontecem antes de nascermos. O sistema auditivo do feto está apto para receber informações a partir do quinto mês de vida intra-uterina. Pelo fato dos sons do mundo exterior entrarem pelo tecido abdominal da mãe e pelo líquido amniótico que envolve o feto, ele é capaz de ouvir e reagir ao que escuta (apesar dos sons serem abafados). Muitas mães relatam que os bebês reconhecem depois de nascidos, as músicas que elas costumavam ouvir quando estes estavam ainda na barriga. As mães ensinam seus filhos mesmo antes de nascerem e as pesquisas mostram que o feto capta estas dicas do ambiente intra-uterino e molda sua psicologia de acordo. É como disse em entrevista, o neurologista infantil Mauro Muszet, da UNIFESP: “Quanto mais precoce os pais apresentarem a música como forma positiva, relaxante (e isso começa a ser trabalhado na gravidez), maior é a tendência de a criança valer-se dela para desenvolver a linguagem e o aprendizado”.Ou seja, é muito importante o ambiente que a grávida oferece a si mesma e ao seu filho, mesmo antes dele nascer e a música pode auxiliar, no sentido de oferecer um ambiente mais tranqüilo e estimulador. 2. Ouvimos cada vez mais sobre os benefícios da música para crianças, inclusive bebês. Como a música pode auxiliar no desenvolvimento infantil? A música desenvolve diversas habilidades, porque ela é interessante para o bebê desde sempre. Estudos mostram que quando o bebê nasce ele já foi estimulado através dos sons (dentro da barriga da mãe) e das pessoas que cuidam dele (depois do nascimento), que geralmente brincam com ele utilizando a música. Desde muito cedo o bebê cria memórias positivas com essa linguagem. É importante enfatizar que a fase de 0 a 6 anos é de extrema importância para o desenvolvimento infantil. A neurociência (ciência que estuda como aprendemos e nos desenvolvemos) chama este intervalo de período receptivo, onde a criança, através dos órgãos do sentido (audição, visão, olfato, paladar, tato) explora e pesquisa o mundo, construindo suas aprendizagens. As aulas de musicalização infantil são muito úteis nesta idade, pois unem duas ferramentas muito significativas para a criança: canções e brincadeiras; ou seja, através de histórias sonorizadas, brincadeiras de roda, brincadeiras de mãos, tocando ou construindo instrumentos musicais, etc, a criança interage em um ambiente de sensibilização, reflexão e prática musical e vai desenvolvendo habilidades que irão auxiliá-la em seu desenvolvimento integral, como desinibição, maior expressividade, desenvolvimento psicomotor mais consolidado, maior criatividade, etc, além de vivenciar os elementos musicais de forma prazerosa, o que irá facilitará e muito a aprendizagem de um instrumento musical, caso surja esse interesse por parte dela no futuro. Um estudo realizado na Universidade McMaster, no Canadá, por exemplo, comparou crianças entre 4 e 6 anos e constataram que as que tinham aulas de música se saíram melhor em testes de memória, alfabetização e matemática. O fato é que a música estimula diversas áreas cerebrais ao mesmo tempo e através dela, desenvolvemos outras inteligências, além da musical. 3. A partir de qual idade a criança pode participar das aulas de musicalização infantil? As crianças podem começar a frequentar as aulas a partir de 8 meses, quando geralmente podem sentar sem apoio. As aulas de musicalização infantil, são voltadas especialmente para a faixa etária de 0 a 6 anos, e muitos professores de instrumentos musicais utilizam técnicas de musicalização para que crianças, jovens e adultos aprendam a ler uma partitura, através de jogos e brincadeiras. A pedagogia musical evoluiu muito, felizmente. Muitos colégios hoje oferecem aulas de música na grade curricular, inclusive para o bebê, o que é maravilhoso! A vantagem porém, do curso dado pela escola de música para os bebês, é que os pais muitas vezes podem participar, aprender diversas brincadeiras para praticar com seus filhos em casa e acompanhar de perto o desenvolvimento e progresso dos mesmos, interagindo com as outras crianças. 4. Como os pais podem estimular a inteligência musical dos seus filhos? É muito importante que os pais ofereçam experiências significativas e prazerosas com a música para a criança desde muito cedo. As famílias devem estar atentas também à qualidade destas experiências, seja levando o filho em um show cultural musical, dançando com seu filho, comprando CDs de diversos estilos diferentes e pedindo ajuda à um professor de música sempre que possível. A criança que tem contato com música de qualidade desde pequena, além de desenvolver o gosto pela música, será um adulto com maior sensibilidade e aprenderá a utilizar a música para descarregar o stress do dia-a-dia de maneira saudável. Além disso, poderá se tornar um apreciador da boa música, pois conviveu desde pequeno com este repertório, com experiências agradáveis e provavelmente se identificará com pessoas do mesmo nível cultural. Outro aspecto importante que deve ser enfatizado: As famílias precisam estar atentas aos gostos pessoais de seus filhos em relação à música, pois uns gostam de cantar, outros de dançar, outros de tocar instrumentos musicais, etc. Se a crianças estiver em sua área de interesse (seja cantando, dançando ,tocando um instrumento musical) terá mais prazer em estudar e praticar; e sabemos o quanto a prática é fundamental para o desenvolvimento da inteligência musical. 5. Como perceber se meu filho tem aptidão musical? As crianças que apresentam uma aptidão natural para a música, demonstram interesse pela linguagem desde cedo. Gostam de dançar, de cantar, ficam atentas aos sons ao redor, são expressivos quando dramatizam histórias cantadas e naturalmente, crescendo neste ambiente estimulador, irão demonstrar cada vez mais interesse por canções, dramatizações, instrumentos musicais, shows que envolvem música, etc. Quando começam a aprender a tocar um instrumento musical, apresentam uma boa percepção, um bom ouvido musical, e sentem prazer em estudar. Porém, apesar de existirem graus de talento, as pesquisam afirmam que todos podem desenvolver a inteligência musical, se tiverem experiências positivas com a música e praticarem bastante. Todos os estudos mais atuais apontam na mesma direção: a genética contribui mais não é decisiva. Agora, é importante salientar que, as palavras de incentivo por parte das pessoas mais próximas da criança, são de suma importância. Os pais que elogiam pequenos sinais de progresso valorizam cada música aprendida, investem tempo ouvindo seus filhos tocarem, naturalmente fazem os fazem valorizar a prática do instrumento e perceberem o quanto a dedicação e a disciplina são importantes. Os pais devem ter consciência que a educação musical é um processo gradativo e que é necessário dominar a ansiedade de ambos os lados (pais e filhos). A criança de um modo geral deseja resultados imediatos e, ensiná-las a persistir, a não desistir quando surgem os desafios, são treinos importantes para o ser humano e para sua educação global. Independente de percebermos ou não uma aptidão natural em nossos filhos, investir na educação musical deles é uma forma de desenvolver não apenas sua musicalidade, mas outras áreas de inteligência, inclusive em crianças especiais, que demonstram grande interesse por música. Todos podem se beneficiar desta linguagem tão acessível, pois podemos desenvolver a inteligência musical em qualquer idade. Nunca é tarde para aprender música! Prof. Débora Munhoz Barboni Prof. de Música www.cantinhodamusica.com.br

Leia Mais
Publicado em: 06/08/2016

Como brincar com a criança em casa com a música e ajudá-la em seu desenvolvimento?

Somos seres musicais. Já nascemos estimulados pelos sons, pela linguagem musical, pois desde o quinto mês de vida intra-uterina, o feto já está apto para receber informações através da audição. Apesar de certas pessoas nascerem com uma facilidade maior para desenvolver a inteligência musical, as pesquisas afirmam que se formos estimulados adequadamente, em um ambiente que favoreça experiências musicais significaticas,  e praticarmos, todos podemos desenvolver a inteligência musical. Como pais, podemos facilitar experiências que favoreçam uma estimulação adequada aos nossos filhos através da música. Todos nós trazemos conosco uma cultura musical que aprendemos na nossa infância e que podemos resgatar para utilizar com nossas crianças. Podemos também pesquisar para que assim possamos ampliar o repertório de nossos filhos, desde a música clássica, folclórica, MPB, etc. Matricular seu filho em aulas de musicalização é sem dúvida um excelente investimento, mas é importante que os pais valorizem essa linguagem em casa também. É importante saber que a criança descobre o mundo através dos estímulos sensoriais (tato, paladar, audição, visão). Podemos refletir então, sobre que tipo de música e atividades podemos utilizar que irão favorecer o estímulo dos sentidos sensoriais Sugestões de Atividades Histórias Escolha histórias com temas nos quais é possível retratar o ambiente sonoro da cena. Histórias com animais estão entre as prediletas dos bebês e crianças da educação infantil, mas explore temáticas diferentes como sons do campo, da praia, da fazenda, diversificando as fontes sonoras, utilizando objetos do dia-a-dia e instrumentos musicais. As histórias devem ser bem curtas e objetivas, para não ficar cansativo aos pequeninos. Os sons do ambiente, quando contextualizados em uma história, tornam a experiência mais significativa e prazerosa. Imite, por exemplo, o som do patinho quando este aparecer, cante uma música que você conheça que seja curtinha sobre “pato”. Utilize gestos e expressões corporais, imite o som do pato nadando na lagoa, enfim, use a criatividade para revelar diferentes ambientes sonoros (do campo, da cidade, de objetos, etc.) através da história, treinando assim a percepção auditiva e a imaginação da criança. São atividades simples, porém eficientes, que oportunizam uma exposição sonora que irá introduzi-los no convívio social.   Canções com percussão corporal e danças Existem muitas canções que podem ajudar seu filho a entender o significado das palavras e a conexão com as ações. Por exemplo, a música “Palma, palma, palma” induz a criança a bater palmas, “Cabeça, ombro, joelho e pé” explora o esquema corporal. Canções que estimulam a percussão corporal (bater palmas, pés, sons com a boca, etc), movimentos de correr, pular, andar, marchar não apenas trarão momentos divertidos entre vocês, como também contribuirão para o fortalecimento da musculatura, desenvolvimento do senso rítmico, da percepção e da coordenação motora do seu filho.   Brincadeiras em dupla Trabalhar com rimas, parlendas e brincadeiras infantis com as crianças são atividades indispensáveis, pois possibilitam que a criança tenha contato com a linguagem de forma lúdica e prazerosa. Um exemplo é a parlenda que brinca com os dedinhos (Dedo mindinho, seu vizinho, maior de todos, fura bolo, cata piolho...) que conta os dedinhos e que termina tocando o bebê e fazendo cócegas. Os pequenos demonstram entusiasmo com atividades assim. Brincadeiras de colo, como “Upa, upá cavalinho” são uma das brincadeiras favoritas dos bebês. O adulto pode cantar variando a velocidade da canção, ora mais rápida, ora mais devagar, para que brincando a criança perceba diferentes andamentos. Canções que brinquem de esconder e achar o bebê também estão entre as brincadeiras prediletas. Atividades em duplas, como serra-serra serrador, também são muito interessantes, pois fazem com que a criança vivencie a pulsação da música e ao mesmo tempo interagem de mãos dadas com quem está brincando com ela. São atividades simples e que atraem até os bebês mais pequeninos.   Repertório a utilizar Além do repertório folclórico, atualmente temos uma infinidade de CDs produzidos por professores de música e compositores muito competentes, que muitas vezes lidam com esta faixa etária diariamente e fazem músicas especificas para interação entre pais e filhos. É importante ampliar o repertorio musical do seu filho oferecendo estilos variados, como música clássica, MPB, de outras culturas, etc. Pesquise, converse com um professor de música pedindo indicação de bons materiais e selecione um repertório de qualidade para a educação musical do seu filho.   Instrumentos musicais Apresentar instrumentos de percussão (chocalhos pequenos e leves, clavas, tambores) para que os bebês possam explorar ou acompanhar com canções, também desenvolvem a coordenação fina dos membros superiores, além de, estimular a fala e a percepção para os instrumentos musicais. Os mais adequados, são os da pequena percussão, pois são leves, tem um som curto e preciso, facilitando o trabalho do desenvolvimento da pulsação na música, que é o primeiro aspecto da rítmica a ser estimulada com crianças pequenas. Até os 2 anos principalmente, as crianças costumam levar tudo o que observam na boca (fase oral), portanto, é muito importante que os instrumentos e objetos utilizados na aula estejam limpos, não possam ser engolidos e não tragam risco ao bebê.   Relaxamento  Os momentos que antecedem à hora de dormir, devem ser momentos prazerosos e a música também é uma grande facilitadora deste processo. As canções de ninar podem ser usadas para relaxar, tocar e trazer proximidade, além de fazer com que a criança de sinta amparada e cuidada de acordo com a letra da canção. A mamãe pode, por exemplo, escolher músicas de ninar que tenham uma melodia agradável e uma letra apropriada. Canções como “Boi da cara preta”, “Bicho papão”, foram canções feitas pelas mucamas, na época da escravidão, e que cuidavam muitas vezes dos filhos dos seus senhores sem a menor afetividade. Por serem curtas e terem andamento lento, foram passando de geração em geração, mas existem canções bem mais apropriadas para estimularem o sono de seu bebê do que estas, que se formos analisar a letra, mais parecem canções de terror. É importante que a mamãe realize atividades prazerosas com o bebê enquanto ouve música. Um exemplo de atividades simples que acalmam os bebês, e que proporcionam momentos agradáveis entre mãe e filho, é a massagem relaxante com fundo musical. A mamãe pode acariciar o corpinho do bebê lentamente, nomeando cada parte, o beijando, etc., enquanto o prepara para a hora de dormir. O uso de texturas diferentes, como lã, bolinhas de algodão, de madeira, bichinhos de látex, promovem um interesse especial no momento destinado às massagens, sempre conectadas à música. Pincéis com cerdas macias (pincéis de blush, por exemplo), quando passados em cima das sobrancelhas, ao redor do seu rostinho, o acalmam e o preparam para o sono. Cantar, dançar, brincar, é só começar! O mais importante é proporcionar a você e seu filho, momentos de prazer e diversão. Faça isso por ele e por você mesmo. Desta forma ele vai perceber como é divertido cantar e estar com você, e naturalmente, laços afetivos recheados de boas lembranças serão construídos, de uma forma natural e eficiente, no conforto da sua casa. Prof. Débora Munhoz Barboni Prof. de Música www.cantinhodamusica.com.br

Leia Mais
Publicado em: 06/08/2016

Entrevista para o blog Lala e Maria Rudge

1. Quais os tipos de músicas mais indicados? Sim. Hoje temos estudos científicos que provam que a aprendizagem infantil começa na gestação. O sistema auditivo e a sensibilidade tátil do feto estão aptos para receber informações a partir do  quinto mês de vida intra-uterina. A partir desta etapa, todo estímulo (toque, risada, grito, barulho...) fará diferença no desenvolvimento cerebral do feto, que além de alimento, oxigênio e proteção, precisa de afeto e carinho para se desenvolver. Pelo fato dos sons do mundo exterior entrarem pelo tecido abdominal da mãe e pelo líquido amniótico que envolve o feto, ele é capaz de ouvir e reagir ao que escuta (apesar dos sons serem abafados). Muitas mães relatam que os bebês reconhecem depois de nascidos, as músicas que elas costumavam ouvir quando estes estavam ainda na barriga. As mães ensinam seus filhos mesmo antes de nascerem e as pesquisas mostram que o feto capta estas dicas do ambiente intra-uterino e molda sua psicologia de acordo. 2. Quais os tipos de músicas mais indicados? Os estilos de música mais indicados, são músicas que a mamãe se sinta bem e que lhe traga boas recordações. Para acalmar e diminuir a ansiedade, a gestante pode ouvir músicas com melodias mais suaves como, música clássica com sons da natureza, instrumentais com “flauta de pan” e canções de ninar. O ambiente também é importante para potencializar os efeitos da música. A mamãe pode procurar um local calmo e arejado e ouvir as músicas acariciando a barriga (algumas vezes o papai pode participar do momento), conversar e cantar para o bebê. É importante a mamãe visualizar pensamentos positivos, cenas agradáveis enquanto relaxa com a música. Atitudes e posturas de resguardo como estas, são importantes para fortalecer o vínculo afetivo entre mãe e filho, que provavelmente reconhecerá a voz da mãe e do pai ao nascer, assim como canções que foram muitas vezes repetidas durante a gestação que certamente será mais tranqüila também. 3. Qual a melhor idade para colocar os filhos na aula de música? Quanto antes, melhor. A partir dos 8 meses, as famílias podem matricular seus filhos na musicalização infantil, que são aulas onde a criança vai brincar com a música (através de diversas atividades como brincadeiras de roda, de mãos, de colo, histórias cantadas, sonorizadas, parlendas, etc) para ajudá-la em seu desenvolvimento. Brincando com a música (geralmente as aulas são em grupo), a criança se socializa, melhora sua atenção e concentração, desenvolve seu senso rítmico, sua percepção auditiva, etc, o que formará bases para futuras aprendizagens como aprender um idioma ou aprender a ler e escrever. 4. E para matricular meu filho para aprender um instrumento musical? A melhor fase é a fase que a criança está se alfabetizando. Tocar um instrumento exige da criança uma coordenação motora mais apurada, boa concentração, força de vontade, disciplina, além da parte física também. Para tocar um piano, por exemplo, é necessário que a mão da criança não seja tão pequena, senão ela esbarra os dedos nas teclas. Antes dos 6 anos, é muito mais aconselhável aulas de musicalização infantil, onde ela vai vivenciar a música e se desenvolver através de atividades que estão de acordo com seus interesse e necessidades (brincar, cantar, dramatizar, explorar, descobrir novos sons, etc). É necessário respeitar o tempo da criança, não querer pular etapas, para que o processo seja prazeroso. 5. Quais os benefícios da música nos estudos? Estudos da Neurociência comprovam que estudar música melhora as funções executivas do cérebro, responsáveis por habilidades como memória, controle da atenção, organização e planejamento do futuro. Isso acontece porque praticar música, como tocar um instrumento musical, exige foco e disciplina, além de utilizar a coordenação das mãos, senso rítmico, estimulo visual e auditivo. Desde uma brincadeira de roda, ou tocar um instrumento musical, nas aulas de música, o cérebro é desafiado a utilizar diversas coordenações ao mesmo tempo (cantar/dançar, cantar/tocar/dançar, dançar/tocar, etc.) Essas informações são assimiladas pelo cérebro através dos sentidos, colaborando de forma significativa nas aquisições linguísticas, sociais e cognitivas, lembrando que todos os aspectos do desenvolvimento (motor, intelectual e afetivo) estão interligados e um exerce influência sobre o outro. 6. Todos podem desenvolver sua inteligência musical? Sim. É importante que a criança tenha contato com a música de forma prazerosa e tenha experiências significativas com essa linguagem. Dessa forma, ela terá interesse em praticar. Sabemos a importância da prática para nos desenvolver e com a música não é diferente. É importante enfatizar que nunca é tarde para praticar música. Ao aprender a tocar um instrumento musical, por exemplo, estamos exercitando nossas habilidades mentais, refinando nossa capacidade de ouvir e desenvolvendo o controle motor fino, o que ajudará na firmeza de equilíbrio e na crescer em mobilidade. Ou seja, desenvolvendo essa nova habilidade, programaremos nosso cérebro para envelhecer em melhores condições. Débora Munhoz Barboni - Formada em Artes e pós graduação em Psicopedagogia e Educação Infantil. Tem uma página no facebook chamada: Cantinho da Música (www.cantinhodamusica.com.br) Prof. Débora Munhoz Barboni Prof. de Música www.cantinhodamusica.com.br

Leia Mais