Publicado em: 06/08/2016

Profa. Débora Munhoz Barboni possui formação em Música e Artes, além de Pós-graduação em Psicopedagogia e Educação Infantil. Atualmente trabalha no Colégio Visconde de Porto Seguro em São Paulo/Capital. É mãe, tem uma filha de 8 anos (Ana Beatriz) para a qual ministra aulas de música desde dos 9 meses de idade.



1. Débora, nós sabemos que a música interessa a todos e pode trazer mais qualidade de vida, inclusive às mulheres grávidas. Quais os benefícios da música na gravidez?


Os benefícios são muitos, tanto para a mãe, quanto para o bebê. Durante a gravidez, muito do que a gestante tem contato (a comida e bebida que consome, o ar que respira, as químicas as quais se expõe, as emoções que sente, etc) são compartilhadas da mesma forma pelo feto, que incorpora estes elementos no seu corpo. A música tem o poder de acalmar e relaxar a grávida, que naturalmente está em uma fase mais sensível. Definitivamente a música possui grande influência em nossas emoções. Ela pode trazer mais ânimo nas tarefas do dia-a-dia, fazendo a grávida se sentir mais disposta. Fazer ginástica ouvindo música, por exemplo, ajuda e muito na performance, especialmente quando o ritmo acompanha a freqüência cardíaca máxima. Recentes pesquisas mostram que melodias agradáveis induzem a liberação de sustâncias em nosso corpo, que causam sensação de bem-estar e podem inclusive aliviar a dor crônica. Pesquisas científicas mostram que quando ouvimos ou praticamos uma música que gostamos, o cérebro produz a dopamina, que é o neurotransmissor que traz sensação de prazer; dentre outros. Hoje temos cursos de música específicos para grávidas, onde elas experimentam o poder dos sons, através de atividades envolvendo a musicoterapia, e recebem dicas para aplicar a música em casa de maneira saudável. Isso é maravilhoso, porque a grávida se sente com mais energia, feliz, com maior auto-estima e isso afeta diretamente o bebê em seu bem-estar. Outra razão para utilizarmos a música na gravidez, é que pesquisas recentes da psicologia e biologia afirmam que muitas aprendizagens importantes acontecem antes de nascermos. O sistema auditivo do feto está apto para receber informações a partir do quinto mês de vida intra-uterina. Pelo fato dos sons do mundo exterior entrarem pelo tecido abdominal da mãe e pelo líquido amniótico que envolve o feto, ele é capaz de ouvir e reagir ao que escuta (apesar dos sons serem abafados). Muitas mães relatam que os bebês reconhecem depois de nascidos, as músicas que elas costumavam ouvir quando estes estavam ainda na barriga. As mães ensinam seus filhos mesmo antes de nascerem e as pesquisas mostram que o feto capta estas dicas do ambiente intra-uterino e molda sua psicologia de acordo. É como disse em entrevista, o neurologista infantil Mauro Muszet, da UNIFESP: “Quanto mais precoce os pais apresentarem a música como forma positiva, relaxante (e isso começa a ser trabalhado na gravidez), maior é a tendência de a criança valer-se dela para desenvolver a linguagem e o aprendizado”.Ou seja, é muito importante o ambiente que a grávida oferece a si mesma e ao seu filho, mesmo antes dele nascer e a música pode auxiliar, no sentido de oferecer um ambiente mais tranqüilo e estimulador.



2. Ouvimos cada vez mais sobre os benefícios da música para crianças, inclusive bebês. Como a música pode auxiliar no desenvolvimento infantil?


A música desenvolve diversas habilidades, porque ela é interessante para o bebê desde sempre. Estudos mostram que quando o bebê nasce ele já foi estimulado através dos sons (dentro da barriga da mãe) e das pessoas que cuidam dele (depois do nascimento), que geralmente brincam com ele utilizando a música. Desde muito cedo o bebê cria memórias positivas com essa linguagem. É importante enfatizar que a fase de 0 a 6 anos é de extrema importância para o desenvolvimento infantil. A neurociência (ciência que estuda como aprendemos e nos desenvolvemos) chama este intervalo de período receptivo, onde a criança, através dos órgãos do sentido (audição, visão, olfato, paladar, tato) explora e pesquisa o mundo, construindo suas aprendizagens. As aulas de musicalização infantil são muito úteis nesta idade, pois unem duas ferramentas muito significativas para a criança: canções e brincadeiras; ou seja, através de histórias sonorizadas, brincadeiras de roda, brincadeiras de mãos, tocando ou construindo instrumentos musicais, etc, a criança interage em um ambiente de sensibilização, reflexão e prática musical e vai desenvolvendo habilidades que irão auxiliá-la em seu desenvolvimento integral, como desinibição, maior expressividade, desenvolvimento psicomotor mais consolidado, maior criatividade, etc, além de vivenciar os elementos musicais de forma prazerosa, o que irá facilitará e muito a aprendizagem de um instrumento musical, caso surja esse interesse por parte dela no futuro. Um estudo realizado na Universidade McMaster, no Canadá, por exemplo, comparou crianças entre 4 e 6 anos e constataram que as que tinham aulas de música se saíram melhor em testes de memória, alfabetização e matemática. O fato é que a música estimula diversas áreas cerebrais ao mesmo tempo e através dela, desenvolvemos outras inteligências, além da musical.



3. A partir de qual idade a criança pode participar das aulas de musicalização infantil?


As crianças podem começar a frequentar as aulas a partir de 8 meses, quando geralmente podem sentar sem apoio. As aulas de musicalização infantil, são voltadas especialmente para a faixa etária de 0 a 6 anos, e muitos professores de instrumentos musicais utilizam técnicas de musicalização para que crianças, jovens e adultos aprendam a ler uma partitura, através de jogos e brincadeiras. A pedagogia musical evoluiu muito, felizmente. Muitos colégios hoje oferecem aulas de música na grade curricular, inclusive para o bebê, o que é maravilhoso! A vantagem porém, do curso dado pela escola de música para os bebês, é que os pais muitas vezes podem participar, aprender diversas brincadeiras para praticar com seus filhos em casa e acompanhar de perto o desenvolvimento e progresso dos mesmos, interagindo com as outras crianças.



4. Como os pais podem estimular a inteligência musical dos seus filhos?


É muito importante que os pais ofereçam experiências significativas e prazerosas com a música para a criança desde muito cedo. As famílias devem estar atentas também à qualidade destas experiências, seja levando o filho em um show cultural musical, dançando com seu filho, comprando CDs de diversos estilos diferentes e pedindo ajuda à um professor de música sempre que possível. A criança que tem contato com música de qualidade desde pequena, além de desenvolver o gosto pela música, será um adulto com maior sensibilidade e aprenderá a utilizar a música para descarregar o stress do dia-a-dia de maneira saudável. Além disso, poderá se tornar um apreciador da boa música, pois conviveu desde pequeno com este repertório, com experiências agradáveis e provavelmente se identificará com pessoas do mesmo nível cultural. Outro aspecto importante que deve ser enfatizado: As famílias precisam estar atentas aos gostos pessoais de seus filhos em relação à música, pois uns gostam de cantar, outros de dançar, outros de tocar instrumentos musicais, etc. Se a crianças estiver em sua área de interesse (seja cantando, dançando ,tocando um instrumento musical) terá mais prazer em estudar e praticar; e sabemos o quanto a prática é fundamental para o desenvolvimento da inteligência musical.



5. Como perceber se meu filho tem aptidão musical?


As crianças que apresentam uma aptidão natural para a música, demonstram interesse pela linguagem desde cedo. Gostam de dançar, de cantar, ficam atentas aos sons ao redor, são expressivos quando dramatizam histórias cantadas e naturalmente, crescendo neste ambiente estimulador, irão demonstrar cada vez mais interesse por canções, dramatizações, instrumentos musicais, shows que envolvem música, etc.

Quando começam a aprender a tocar um instrumento musical, apresentam uma boa percepção, um bom ouvido musical, e sentem prazer em estudar. Porém, apesar de existirem graus de talento, as pesquisam afirmam que todos podem desenvolver a inteligência musical, se tiverem experiências positivas com a música e praticarem bastante. Todos os estudos mais atuais apontam na mesma direção: a genética contribui mais não é decisiva. Agora, é importante salientar que, as palavras de incentivo por parte das pessoas mais próximas da criança, são de suma importância. Os pais que elogiam pequenos sinais de progresso valorizam cada música aprendida, investem tempo ouvindo seus filhos tocarem, naturalmente fazem os fazem valorizar a prática do instrumento e perceberem o quanto a dedicação e a disciplina são importantes. Os pais devem ter consciência que a educação musical é um processo gradativo e que é necessário dominar a ansiedade de ambos os lados (pais e filhos). A criança de um modo geral deseja resultados imediatos e, ensiná-las a persistir, a não desistir quando surgem os desafios, são treinos importantes para o ser humano e para sua educação global. Independente de percebermos ou não uma aptidão natural em nossos filhos, investir na educação musical deles é uma forma de desenvolver não apenas sua musicalidade, mas outras áreas de inteligência, inclusive em crianças especiais, que demonstram grande interesse por música. Todos podem se beneficiar desta linguagem tão acessível, pois podemos desenvolver a inteligência musical em qualquer idade. Nunca é tarde para aprender música!



Prof. Débora Munhoz Barboni
Prof. de Música
www.cantinhodamusica.com.br